PUBLICIDADE

No poo e Low poo: entenda mais sobre a técnica e veja como fazer

Técnicas de lavagem capilar são normalmente utilizadas nos cuidados com fios cacheados ou crespos

Você já pensou em parar de usar o shampoo? Embora isso pareça impossível para muitas pessoas, os métodos "no poo" e "low poo" vêm ganhando cada vez mais destaque entre os adeptos de tratamentos e limpeza dos cabelos de formas mais naturais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os termos derivam do inglês: no pow refere-se ao não uso de xampu, já o low poo representa pouco xampu. Eles foram difundidos pela especialista em cabelos cacheados Lorraine Massey em seu livro "Curly Girl", ou "Garota Cacheada" em tradução livre.

Mais do que produtos, os conceitos no poo e low poo carregam uma filosofia de vida, e não há consenso sobre as definições do método, ou seja, uma única definição sobre como ele deve ser utilizado na prática. A discussão envolve cabeleireiros, dermatologistas, tricologistas e farmacêuticos, e até se é necessário o uso de cosméticos para tratar os cabelos ou se apenas ingredientes naturais que se compram num supermercado seriam o suficiente, é um dos pontos de debate.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que significam Low poo e No poo?

Os métodos low poo e no poo se referem a uma proposta de lavar os cabelos de modo mais natural, ou seja, sem fazer o uso de fórmulas com substâncias que agridam os fios.

De acordo com a dermatologista e tricologista Joana D'arc Diniz, a espuma feita pelo xampu sempre foi sinônimo de limpeza, mas pode acabar trazendo mais malefícios do que parece. Isso porque há componentes usados nos produtos que são muitas vezes prejudiciais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Todo esse processo químico realizado na composição de xampus e derivados costumam usar diversos elementos que removem os nutrientes dos fios e a proteção lipídica do cabelo, podendo até abrir suas cutículas. Dentre eles, destaca-se o lauril éter sulfato de sódio. O sulfato retira significativamente a gordura e a oleosidade natural e estas são necessárias para os cabelos, o que acaba por provocar ressecamento, sobretudo naqueles que já tendem a serem secos, quebradiços e opacos", diz Joana D?arc.

Segundo Angélica Pimenta, dermatologista e tricologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), os cabelos crespos e cacheados são os mais afetados pelo uso de xampus com sulfato.

"Os cabelos crespos e cacheados são naturalmente mais frágeis e ressecados devido a estrutura do fio, por isso os adeptos do no poo vetam o uso de sulfato. No entanto, quando se faz uso destes itens é necessário não utilizar produtos insolúveis em água - como óleo mineral, parafina líquida, vaselina, entre outros - pois eles se fixam aos fios e precisam do sulfato para retirá-los. Já o low poo é uma técnica mais flexível, pois se usa xampus que contêm sulfatos, mas em versões menos agressivas. Por esse motivo, eles não fazem tanta espuma", diz a especialista.

Diferença entre Low poo e No poo

A diferença entre as técnicas consiste na quantidade de xampu utilizada. No "No Poo" não se usa nenhum shampoo, ou seja, a pessoa não pode fazer o uso de surfactantes, substâncias usadas para limpeza, nem qualquer derivado de petróleo (óleos minerais, vaselina, parafina líquida, silicones insolúveis etc.), ambos muito frequentes na fabricação de produtos da indústria cosmética.

"Já o Low Poo usa o xampu de forma muito reduzida, além de empregar os que possuem somente agentes numa proporção bastante suave e ainda serem aplicados numa quantidade bem pequena na hora da lavagem", indica Joana D?arc.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como os métodos low poo e no poo funcionam na prática?

Aqui, novamente, não há consenso, principalmente na questão do no poo. A cabeleireira especialista em cachos e adepta dos métodos, Sabrinah Giampá, explica: "no caso do no poo, para higienizar o cabelo você vai precisar de um bálsamo limpante, que seria um condicionador com agente de limpeza suave ao invés de um xampu tradicional. Os mais radicais usam bicarbonato de sódio diluído em água e vinagre. A diferença do no poo para o low poo, é que esta segunda é uma rotina mais flexível, e tolera surfactantes mais suaves, como o Cocamidopropyl Betaine, que é derivado do coco e faz uma espuminha bem suave, além de silicones solúveis em água".

Entretanto, a dermatologista e tricologista Joana D?arc revela que não aconselha a prática do no poo. Isso porque, segundo ela, abolir totalmente o uso do xampu pode acarretar em outros problemas capilares, como oleosidade excessiva, dermatite seborréica, queda, caspa, desenvolvimento de fungos e bactérias, e ainda atingir a fibra capilar.

Por esse motivo, é importante procurar um especialista para que juntos possam entender melhor as características do cabelo e, assim, usar produtos e técnicas adequadas.

"Existem muitas opções no mercado que têm a função de limpar sem agredir os fios. Embora façam pouca espuma, lembre-se que xampus espumantes não são sinônimo de mais limpeza. Além disso, é essencial reduzir a quantidade de produto aplicado durante a lavagem.equivalente a uma moeda de um real normalmente já é o suficiente para os cabelos longos. Nos curtos, a quantidade pode ser menor", explica Joana D?arc.

Como lavar o cabelo?

Segundo a tricologista Joana D'arc, o passo a passo para uma boa lavagem do cabelo inclui:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

1. Escolher a temperatura ideal da água, que deve ser. preferencialmente morna ou fria. Esta última é aliada na ativação da circulação periférica, auxiliando na irrigação dos capilares. sempre água quente, pois remove a oleosidade natural e resseca os fios.

2. Molhar os cabelos por completo e aplicar apenas uma quantidade de xampu similar ao tamanho de uma moeda de 1 real (para cabelos médios e longos). Se for curto, diminua um pouco a dosagem. A pessoa deve primeiramente colocar o produto na palma da mão e não diretamente nos cabelos. Depois, aplicar no topo da cabeça e espalhar o produto por todo o cabelo em movimentos suaves.

3. Massagear suavemente o couro cabeludo com as pontas dos dedos. Não use as unhas porque pode causar alguma lesão ou ativar demasiadamente as glândulas sebáceas. Mesmo quando o cabelo é seco, isso pode provocar um efeito rebote, aumentando a oleosidade dos fios.

4. Enxaguar por completo sem deixar nenhum resíduo de xampu.

5. Aplicar o condicionador, mas nunca no couro cabeludo. Somente alguns centímetros a partir dele.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

6. Enxaguar por completo sem deixar nenhum vestígio de condicionador. É preciso remover todos os resíduos para que ocorra a reação natural de absorção do produto e fechamento das cutículas, estabilizando desta forma o pH dos fios.

7. Secar os cabelos delicadamente, pois quando estão molhados se tornam mais frágeis. Por isso, não os torça e/ou prenda. Escolha uma toalha macia para secá-los e deixe-os secar naturalmente.

8. Semanalmente,usar creme ou uma máscara capilar com os cabelos úmidos, tomando o cuidado de não aplicar o produto na raiz.

O que é o co-wash?

Este é outro termo muito comum no universo no poo/ low poo, que é uma abreviação do inglês e significa, literalmente, lavar com o condicionador. "Na rotina no poo você já pratica uma espécie de co-wash intensivo, pois o condicionador ou os bálsamos limpantes fazem parte da higienização diária. Na low poo, algumas pessoas intercalam o co-wash entre as lavagens com agentes de limpeza que fazem uma leve espuma, mas que não são agressivos", explica Sabrinah. "Mas o importante, em ambos os casos, é que o co-wash não pode ser feito com qualquer condicionador, e sim com um produto isento de silicones, parafina líquida e derivados de petróleo no geral", alerta a cabeleireira.

"Só usar o condicionador para fazer a limpeza dos fios não é legal, pois o xampu tem o seu papel - que é limpar o cabelo e o couro cabeludo, e só o condicionador não limpa o cabelo", diz Almeida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando o low poo e o no poo são indicados?

Segundo Joana D?arc, o low poo é indicado para quem deseja diminuir os efeitos nocivos do xampu tradicional, especialmente os que são à base de sulfato, e manter a camada protetora natural dos fios. Além disso, a princípio essa técnica é recomendada para todos os tipos de cabelos.

A principal ação benéfica do Low Poo é a manutenção dos lipídios e da oleosidade natural dos fios e do couro cabeludo, que possuem o papel de conservá-los saudáveis e protegidos. Os efeitos são a redução considerável do frizz e ressecamento.

No entanto, como dito anteriormente, é preciso procurar um especialista antes de iniciar o processo, especialmente se quiser fazer o no poo, que pode trazer mais impactos para os fios.

Que produto pode ou não ser usado no poo ou low poo?

Para saber se o produto é no poo ou low poo você vai precisar ler o rótulo e saber pelo menos um pouquinho de química, que já vamos explicar: Para que um xampu remova oleosidade ou sujeira do cabelo é necessário que tenha a presença de um ingrediente conhecido como tensoativo. O tensoativo é uma substância que consegue se ligar na sujeira e na água ao mesmo tempo, com isso após o exangue, a sujeira vai para o ralo. "Os tensoativos mais usados na indústria são o lauril sulfato de sódio e o lauril éter sulfato de sódio. No entanto, muito se fala sobre o potencial irritante destes componentes. Buscando alternativas mais seguras e vegetais surge o conceito low poo e no poo, que são produtos com baixa concentração ou ausência dos tensoativos tradicionais", explica Lucas Portilho, farmacêutico e especialista em cosmetologia. "Em produtos low poo não pode haver a presença destes sulfatos, mas é permitido o uso de tensoativos suaves, como amisoft (derivado do milho), plantarem (derivado do coco e milho) ou o extrato de Quilata, que são os mais usados. Já em produtos no poo não há tensoativos e os ingredientes usados são amidos ou sílica absorvedores de oleosidade", completa.

Quais os substitutos para os xampu?

Os substitutos mais indicados são os produtos catiônicos, feitos à base de sais de amônia. Além disso, a pessoa também pode usar não iônicos, produtos muito usados em bebês, e os anfóteros (ou tensoativo), que usam um agente espumante mais suave, entre os quais, o cocamidopropyl betaine, que consegue promover uma boa limpeza, é menos agressivo e deriva do coco.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Só cabelos crespos ou cacheados podem utilizar a técnica?

Este é um dos pontos de maior discórdia entre as partes envolvidas nos cuidados com os fios. Apesar de pessoas com todos os tipos de cabelo poderem utilizar a técnica, não faltam argumentos contra e a favor do seu uso, principalmente nos cabelos lisos.

"Acredito que não há motivos para deixar de usar os produtos tradicionais, pois o xampu é importante na limpeza do couro cabeludo, principalmente para retirar o excesso de gordura e poluição. No entanto, a quantidade de xampu sempre deve ser moderada, já que em excesso, pode ser prejudicial aos fios, independente se lisos ou cacheados. Por isso, antes da pessoa aderir a qualquer método é interessante conversar com um especialista sobre o assunto", opina a dermatologista e tricologista Angélica.

"Todos os tipos de cabelo são beneficiados com as rotinas low e no poo. No caso dos fios lisos, como o surfactante pesado (lauril sulfato de sódio) remove todo o sebo da raiz, o couro cabeludo entende que precisa produzir mais óleo, e o resultado são fios emplastados. Com a rotina low poo, que é mais indicada para os lisos, é possível acabar com a oleosidade excessiva. Para os cacheados, as rotinas acabam com o excesso de sebo na raiz e ressecamento no comprimento e pontas", diz a cabeleireira Sabrinah.

"Boa parte dos produtos hoje em dia não possuem estes ingredientes - que podem provocar alergias em algumas pessoas, mas não em todas. O lauril sulfato de sódio é realmente muito adstringente, o que quer dizer que para um cabelo oleoso ele não é tão vilão quanto para um cabelo seco", opina Adriano Almeida, tricologista e presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo.

Dicas para quem vai começar a usar uma das técnicas

Agora, antes de mudar a sua rotina de tratamentos é muito importante conversar com um especialista para verificar como está o seu cabelo e tirar dúvidas com relação a forma que você cuida dos fios e resultados que obtém.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando você for começar a usar esse tipo de produto é importante saber que, "em alguns casos, o cabelo leva um tempo maior para se adaptar, por isso, geralmente aconselhamos fazer uma lavagem com um xampu anti-resíduos antes de começar a rotina. Na sequência se deve hidratar com um produto liberado para uma delas, e assim começar, sem nenhuma 'maquiagem' que pode prejudicar a absorção dos produtos", diz Sabrinah.

Caso você opte ou não por utilizar as técnicas, uma dica vale para todos: "diluir qualquer xampu com um pouco de água ajuda a homogeneizar a sua aplicação, ou seja, não fica mais produto no primeiro local que você encostou do que nas outras partes, o que é benéfico pois o excesso em um único pedaço é maléfico para os fios. Este procedimento é bom para todos os cabelos, mesmo os oleosos, pois o xampu é distribuído melhor pelo couro cabeludo e cabelo em si", diz o tricologista Almeida.

Referências

(1) Angélica Pimenta, dermatologista e tricologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)

(2) Sabrinah Giampá, cabeleireira especialista em cachos

(3) Lucas Portilho, farmacêutico e especialista em cosmetologia

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

(4) Adriano Almeida, tricologista e presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo

(5) Joana D'arc Diniz, dermatologista e tricologista