O papel do pai no primeiro mês do bebê

A rotina com o recém-nascido não é exclusiva da mãe; veja 9 dicas para reforçar o papel do pai nesta fase

Quando nasce um bebê, o envolvimento é tão grande com a mãe que é bem comum os pais se sentirem excluídos dessa relação. Muitos deles não sabem muito seu novo papel e não entendem bem como podem ajudar. Preferem até mesmo se afastar com receio de acabar atrapalhando.

A rotina com o recém-nascido parece ser exclusiva da mãe. Além disso, é bem comum a sogra ficar em casa ou até mesmo a nova família se instalar na casa da sogra. Assim, o pai se vê em um terreno unicamente feminino, e não consegue, portanto, encontrar espaço nessa nova dinâmica.

Muitos pais alegam que o bebê "só mama e dorme" e se sentem perdidos sobre como ajudar.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por mais que nós, mães, precisemos deste apoio, por muitas vezes podemos ser as responsáveis pelo afastamento paterno. Sem perceber, a gente acaba não dando muito espaço. Além de tudo, estamos tão envolvidas e apaixonadas pelo pequeno bebê que mamãe e bebê se bastam nessa relação.

Aos poucos vamos nos familiarizando nessa nova dinâmica familiar, mas sempre é importante um pouco de atenção a este ponto. Se isso se perpetuar, lá na frente você poderá sentir muita falta dessa preciosa ajuda. Na verdade, eu nem chamaria de ajuda, mas sim de comprometimento e participação do pai.

Papel do pai

No primeiro capítulo do meu livro "Sintonia de Mãe", publicado pela Luz da Serra Editora, eu já abordo como é importante a criação e o cultivo da nossa rede de apoio. E o pai da criança tem um papel muito importante nela.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O pai, muitas vezes, pode ser o que eu chamo de apoiador de base, que é aquela pessoa que elegemos para defender nossas escolhas. Nos momentos de fragilidade, a gente pode se perder e o papel do apoiador de base é de nos lembrar aquilo que era importante para nós quando traçamos nosso plano de parto e o plano de amamentação.

Ele sempre vai nos apoiar em nossas decisões seja quais forem ela e muitas vezes transmitir essa decisão para os outros membros da família ou até mesmo para os profissionais da área da saúde que nos vão atender. Ele a ajudará a ver as coisas com mais clareza quando surgir um momento difícil. Só que, para isso, é necessário um alinhamento das ideias desde a gestação.

Aprendendo a comunicar

Um erro comum que cometemos é o de achar que o pai do bebê deve ler nossos pensamentos. É claro que isso não acontece, ainda mais em um período da vida tão delicado e cheio de novidades.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por isso, muitas vezes deixamos de comunicar nossas vontades e necessidades, e ainda ficamos irritadas quando ele não faz alguma coisa exatamente como pensamos que deveria fazer. O primeiro passo é a comunicação. Fale do que você precisa, fale sobre o que sente, fale o que você espera dele, sem julgamentos e sem vitimização. Faça combinados e perceba em que ponto ele está preparado para assumir aquilo que você realmente deseja ou espera dele. Deixar tudo às claras pode ser um grande começo!

É fato que vivemos em uma cultura ainda machista, em que os meninos brincam de carrinho enquanto as meninas é que brincam de bonecas e já estão sendo ?treinadas? para ser mães. Temos que ter paciência para reverter isso agora.

Separei algumas dicas para que vocês possam dar os primeiros passos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

1 - Comece antes do bebê nascer (se isso ainda for possível)

O pai pode acompanhar você nas consultas do pré-natal, sempre que possível. Compartilhe com ele as informações novas que está recebendo sobre os primeiros cuidados com o bebê e sobre a amamentação. Leia para ele alguns capítulos do livro Sintonia de Mãe!

2 - Incentive-o a participar do parto

É possível que o pai corte o cordão umbilical e participe do primeiro banho, por exemplo

3 - Anime-o a tirar a licença-maternidade

Neste período, o pai pode ficar por dentro dos cuidados com o bebê nos primeiros dias.

4 - Compartilhe tarefas

Trocar fraldas, dar banho e ninar o bebê podem ser tarefas divididas com a pai. Porém, isso pode ser assustador para alguns. Há quem nunca nem tenha pego uma boneca no colo, quem dirá um bebê. Deixe-o à vontade, encoraje-o e jamais critique a forma que ele está fazendo, mesmo que não seja tão perfeita quanto a sua ou quanto à da avó! Ele só vai aprender e ter segurança quando efetivamente colocar a mão na massa!

5 - Ele pode te incentivar na amamentação quando você pensar desistir!

Existe um lema: Quem tem peito, dá leite, quem não tem, dá força! Isso pode ser incrível e até salvar sua amamentação, se seus pensamentos e objetivos em relação a amamentação estiverem alinhados. Além disso, ele poderá colocar o bebê para arrotar, assim você aproveita esse tempinho para descansar até a próxima mamada.

6 - Fazendo sala

O pai é ótimo para dar conta das visitas. Deixe isso por conta dele! Você não precisa fazer sala se estiver muito cansada.

7 - Tarefas domésticas

Delegue a ele tarefas de casa, caso você não tenha alguém para fazer isso. Ele também poderá sair para ir à farmácia, quitanda ou mercado.

8 - Encoraje-o a passear e conversar com o bebê

A mulher, como passou por uma gestação, já está acostumada com esse contato íntimo. Mas, para o pai, muitas vezes não é tão simples!

9 - Dar banho de chuveiro no bebê

Isso é o que eu chamo de "banho do papai". A banheira é acolhedora, horizontal, redonda, feminina. O banho de chuveiro do papai é vertical, aventureiro. Seu bebê vai amar esse momento e o pai também!

Acredite, o pai quer esse contato! Só que às vezes não sabe por onde começar. Então, facilite e seja a mediadora desse processo!

O papel do pai nos primeiros meses é muito importante para que a mãe proporcione segurança ao bebê, porque ela sente que também está apoiada. Acredite, isso faz uma enorme diferença inclusive na dinâmica de sua amamentação.